dez 02

CENTENÁRIO PADRE MENDES comente aqui

No dia 29 de novembro passado, a comunidade ouropretana comemorou o centenário de nascimento do Padre José Pedro Mendes Barros (1913-1999). Cidadão de destaque na área de educação e cultura e saudoso membro do RCOP, o Padre Mendes foi homenageado por diversas entidades, como o Grêmio Literário Tristão de Ataíde, o Instituto Federal Minas Gerais – Campus Ouro Preto, e a Câmara Municipal de Ouro Preto. Um livro em sua memória foi lançado por Francelina Ibrahim Drummond.

Picture1

No dia 01 de dezembro, a Paróquia N.Sra. do Pilar celebrou missa festiva em honra do Padre Mendes. O texto abaixo foi preparado pelo Padre Marcelo Moreira Santiago (Pároco do Pilar), e lido na ocasião.

SAUDAÇÃO, IN MEMORIAM, PELO CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DO CÔNEGO JOSÉ PEDRO MENDES BARROS

Irmãos e irmãs,

Movidos pela esperança de que Deus, a seu tempo, realiza a Palavra empenhada, damos início à caminhada de fé em preparação às festividades do Natal do Senhor. O próprio Filho eterno de Deus entra no tempo e na história, assumindo a natureza humana no ventre santíssimo da Virgem Maria, sob a ação do Espírito Santo. Ele veio, bem o sabemos, como luz para dissipar as trevas e trazer a todos nós vida e salvação.

Nesse dia, abrindo um tempo de alegre expectativa, reunimo-nos também para celebrar, in memoriam, o centenário de nascimento de alguém incansável no anúncio dessa verdade salvífica; alguém cuja vida, ornada pelo ministério sacerdotal, se fez toda ela de doação e serviço, orientando, sobretudo, gerações jovens no caminho de Deus para que tivessem, na Igreja e no mundo, vida e vida em abundância. Falamos do saudoso Cônego José Pedro Mendes Barros, mais conhecido nosso pe. Mendes.

São cem anos de seu nascimento, merecidamente recordados; centenário de um baluarte da fé, educador e humanista que dedicou, de modo especial, sua vida e ministério à formação como mestre e professor de adolescentes e jovens.

Pe. Mendes empreendeu uma rica trajetória de atuação magisterial como professor versado em várias matérias, mormente as línguas portuguesa e inglesa, formando gerações com inovações pedagógicas, qual visionário de tempos futuros. Sua atuação docente se destaca seja no Seminário da Arquidiocese de Mariana, como no Colégio Arquidiocesano de Ouro Preto; também na Escola Normal, hoje Escola Estadual Dom Veloso e na Escola Técnica Federal, hoje Instituto Federal de Minas Gerais – campus de Ouro Preto.

Nesses estabelecimentos, ele serviu com maestria, primando pela intelectualidade, pela busca meticulosa de perfeição na arte da docência e do aprendizado. Arguto e exigente, trabalhando com disciplina e austeridade, porém regadas sempre de amabilidade e valorização do ser humano.

Sua produção intelectual foi intensa, seja em sala de aula, inclusive com a produção de livros afins às disciplinas que lecionava, como também nas atividades do GLTA – Grêmio Literário Tristão de Ataíde que fundou em 1938 nas dependências do Colégio Arquidiocesano, vindo a transferir-se, mais tarde, para uma sede própria. Este Grêmio marcou história em Ouro Preto como alavanca para a leitura, a cultura e as artes, influenciando largamente a vida de tantos jovens, disseminando por toda esta cidade grande luminosidade intelectual e humanística.

Pe. Mendes também muito serviu como Capelão do Educandário Santo Antônio, ali celebrando diariamente e, em dias de semana e domingo, respectivamente, na Igreja de Nossa Senhora das Mercês e Misericórdia e nessa Igreja dedicada à Senhora do Carmo, aqui celebrando, no “Dia do Senhor” ao meio-dia para os estudantes.

Ele participou do Rotary Club de Ouro Preto, unindo-se assim a tantos profissionais no desejo de ajudar o próximo, de se envolver, também por esta via, na comunidade com iniciativas sociais e humanitárias, tão próprias ao Rotary, tendo em causa o bem das pessoas, também de seus associados, e o esforço comum, em ações práticas, de trabalhar por um mundo melhor.

Seu ministério foi, sobretudo, dedicado aos estudantes e jovens, acompanhou-os antes da Revolução Militar em seus movimentos estudantis, de identidade cristã, de vanguarda às reformas do Concílio Vaticano II e depois, no contexto brasileiro, mesmo diante da restrição de liberdade política, não deixou de oferecer-lhes o melhor de seu ministério, preocupado, em suas orientações e iniciativas, em lhes proporcionar condições dignas de vida, de vivência cristã, de crescimento humano e intelectual e de inserção social.

Eu mesmo sou testemunha dessa verdade. Tive a grata satisfação e honraria de ter sido aluno seu nos tempos de formação no Seminário da Arquidiocese de Mariana, ao final dos anos 70. Sempre vi em pe. Mendes um “gentleman”, um homem atencioso e delicado com as pessoas; um conselheiro, com amor paterno, a interessar-se pelas pessoas e suas dificuldades, sempre pronto para lhes ajudar; um sacerdote zeloso para com a formação e educação da juventude, alguém que sempre acreditou na juventude. Por vezes, escrupuloso no exercício das funções litúrgicas, tamanha a sua índole criteriosa e têmpera disciplinar no respeito/amor ao santo nome de Deus e na vivência do dom/missão que Deus lhe confiou.

Pe. Mendes foi uma bênção de Deus para esta cidade e sua gente, um sacerdote zeloso e inteligente que muito dignificou a vida de nossa Igreja Particular. Com estas palavras, em nome do Arcebispo Dom Geraldo Lyrio Rocha, nosso amado pastor, impossibilitado de se fazer presente em razão de compromissos diocesanos agendados anteriormente, prestamos as homenagens da arquidiocese e das paróquias de Ouro Preto a este irmão de nosso presbitério, lembrado especialmente no centenário de seu nascimento. Também agradecemos sua família, na pessoa de dona Maria Joana, dona Zina, sua irmã, por este presente dado à Arquidiocese de Mariana e todas as manifestações de carinho e reverência à pessoa de pe. Mendes, realizadas nesses dias como, entre outros, o lançamento do livro de memórias partilhadas “Pe. Mendes, o Semeador”, a sessão festiva acontecida no IFMG, as celebrações religiosas e a medalha cunhada para esta ocasião, oferecida a partir da Câmara Municipal para registrar estas efemérides, a ser entregue aos agraciados na segunda quinzena de dezembro.

Como ouvimos das escrituras sagradas, nessa celebração, devemos estar atentos em fazer o bem e nos revestir de Jesus Cristo. Pe. Mendes assim viveu, procurou com discrição sempre fazer o bem, discernindo na vida os apelos da graça de Deus e procurando em tudo fazer a sua santa vontade. Deixou-se guiar pela luz de Deus e foi um facho desta mesma luz. Com seu exemplo nos ensinou que não temos luz própria, mas que devemos nos deixar conduzir pela luz que é Jesus Cristo, nosso Deus e Salvador. Sua vida sempre apontou para essa verdade.

Receba, pe. Mendes, de Deus a coroa da justiça, dos bem-aventurados, por ter combatido o bom combate, guardado a fé e nos ter ensinado, no seguimento de Jesus Cristo, a amar concretamente colocando os dons sempre a serviço. Sua memória há de perdurar nos anais da história educacional em nossa Ouro Preto, mas, sobretudo, no coração de todos nós que pudemosconhecê-lo e ser favorecidos pela sua inteligência, estima e amabilidade colocados a serviço da Igreja e da sociedade, sonhando o sonho de Deus de vida, justiça e paz.

A vós, Senhor, razão última de tudo o que aqui se celebra – gratidão, louvor e ação de graças. Amém.

Pe. Marcelo Moreira Santiago – Pároco do Pilar

Picture2

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.