PAELLA DO LORETO NA CASA DA SÔNIA

De acordo com a Wikipedia (https://pt.wikipedia.org/wiki/Paella), a paella (em castelhano e catalão) ou paelha (forma aportuguesada) é um prato à base de arroz, típico da gastronomia espanhola e que tem as suas raízes na comunidade de Valência – daí que em Portugal seja comumente conhecido como arroz à valenciana. Surgiu na Espanha, nos séculos XV e XVI, na região de Valência, mais especificamente na região de Albufera, região de grandes arrozais e de grande produção de verduras frescas. Originalmente um prato popular, foi criada pelos camponeses que partiam para o campo com a paellera ou paella, arroz, azeite e sal e agregavam ingredientes da caça, legumes da estação e as sobras que possuíam. O tomate só foi acrescentado posteriormente, trazido da América por Cristóvão Colombo, e o frango, que era muito caro para os padrões da época.

O prato é chamado paella devido à paellera ou paella valenciana, uma espécie de frigideira, de ferro ou aço, onde são preparados vários pratos da culinária valenciana, como o arroz negro e o fideuá. A paella ou paellera, é uma frigideira rasa e grande (diâmetro mínimo de 30 cm), com duas alças. O formato da paella favorece o cozimento do arroz por igual. O nome paella vem do latim “patella“, espécie de bandeja usada na Roma antiga, onde eram colocadas as oferendas aos deuses, em rituais de fecundação da terra.

Há diversas receitas, mas a autêntica paella valenciana é a união de vários alimentos característicos da região: arroz, frango, coelho, pato, garrofó, tabella e ferraura – variedades autóctones de feijão -, tomate, azeite e açafrão (que dá a cor amarela característica do prato). Ocasionalmente pode se adicionar alcachofras e caracois, alguns também adicionam ervilhas. Com a difusão da paella pela costa, foram acrescentados frutos do mar: choco, camarões, lulas, lagostins, amêijoas (vongole), mexilhões, e polvo, tornando-o um prato misto (terra e mar). Em suas diferentes variações, encontram-se ainda as “paellas marineras” (peixe e frutos do mar) e a “paella negra”, com tinta de lula. No Brasil, normalmente é feita com frutos do mar.

Pois bem, o nosso companheiro e exímio cozinheiro José Loreto resolveu criar uma variação deste famoso prato: a Paella Ouropretana. Trata-se de uma saborosa variedade de carnes de boi, frango e porco, bem cozidas na frigideira de ferro, a uma adequada temperatura e tempo, misturadas com legumes (inclusive quiabo e mandioca), arroz e temperos. Para enfeitar o prato e dar um toque regional, torresmos bem sequinhos são colocados na superfície do prato, e fazem o papel dos camarões tradicionais.

A Paella do Loreto foi muito bem degustada neste ultimo domingo na residência da companheira Sônia Farah, por ocasião do Natal da Casa Lar, festa tradicional que o casal Farah oferece para as crianças que participam do projeto de acolhida de órfãos e abandonados. As fotos a seguir ilustram momentos do almoço. Uma boa oportunidade para o companheirismo e, é claro, de saborear uma deliciosa refeição. Parabéns, Loreto e Sônia!

Slide1

Slide2

FESTIVA DE NATAL 2015

O RCOP comemorou o Natal de 2015 com uma reunião festiva no dia 10 de dezembro. A reunião foi presidida pelo companheiro Múcio Junqueira (o Presidente Álvaro Guarda chegou no fim da reunião, devido a compromissos familiares). O companheiro Hubert Roeser organizou um coral, com membros do clube, para entoar diversas músicas natalinas. Aproveitou-se o momento para uma homenagem a Gustavo Cid Bravo e esposa, que deixam Ouro Preto e passam a residir no Chile. Como sempre, a reunião foi bastante alegre, com irradiação de companheirismo. As fotos abaixo, tiradas pelo companheiro Tino Ansaloni, ilustram momentos da festa.

Slide01

Slide02

Slide03

Slide04

Slide05

Slide06

Slide07

Slide08

Slide09

Slide10

Slide11

Slide12