Instituto Martius Staden

Nosso companheiro e professor do Departamento de Engenharia Ambiental da Escola de Minas da UFOP, Hubert Mathias Peter Roeser, participou do lançamento do Anuário Martius-Staden n.61, edição dedicada à vida e à obra do eminente historiador do século XIX, Francisco Adolfo von Varnhagen, Visconde de Porto Seguro (pai da História do Brasil), em seu bicentenário de nascimento. O lançamento aconteceu no último dia 29 de setembro, na sede do Instituto Martius-Staden em São Paulo. Neste anuário, Hubert publicou o artigo “Contribuições alemãs às geociências em Minas Gerais na segunda metade do século XX”.  O artigo apresenta um panorama sobre a participação de cientistas alemães no desenvolvimento da geologia em Minas Gerais, destacando a importante participação desses estudiosos no descobrimento e pesquisa de materiais mineralógicos em nosso estado.

imagem1

 

O Instituto Martius-Staden de Ciências, Letras e Intercâmbio Cultural Brasileiro-Alemão é uma entidade de utilidade pública sem fins lucrativos mantida pela Fundação Visconde de Porto Seguro. O Instituto localiza-se na zona sul da cidade de São Paulo (SP), tendo suas instalações dentro do Colégio Visconde de Porto Seguro – Unidade Panamby.

O nome “Instituto Martius-Staden” faz menção a duas importantes figuras históricas: Hans Staden, o primeiro autor a publicar um relato extenso sobre o Brasil (a “Historia Verídica”, 1557), e Carl Friedrich Philipp von Martius, naturalista e botânico, autor de obras como “Viagem pelo Brasil”, “História Naturalis Palmarum” (produzida entre 1823 e 53) e o compêndio monumental “Flora Brasiliensis” (1840 e 1906).

As atividades do Instituto destinam-se a fomentar o intercâmbio cultural entre o Brasil e países de língua alemã, como a Alemanha, a Áustria e a Suíça. A principal atuação do Instituto Martius-Staden é manter acessível ao público em geral um dos mais importantes acervos sobre a imigração dos povos de língua alemã para o Brasil, formado por documentos, jornais, livros, mapas, fotografias e outros materiais (mais de 150.000 documentos e dados biográficos sobre mais de 90.000 pessoas). Possui um setor de publicações, que edita o Anuário Martius-Staden desde 1953, assim como outras publicações voltadas ao escopo do trabalho do Instituto. Na área de eventos, promove concertos, exposições, cursos e palestras. Para ampliar o alcance de suas atividades, o Instituto mantém parcerias com várias instituições culturais e de pesquisa no Brasil, na América Latina e em países de língua alemã.

As atividades do Instituto Martius-Staden remontam ao começo do século XX. Em 1925, os professores alemães da Deutsche Schule – conhecida então como Olinda Schule e que porta hoje o nome de Colégio Visconde de Porto Seguro – iniciaram um arquivo de documentos acerca da história dos alemães em São Paulo. A partir de 1938, este arquivo foi mantido pela Sociedade Hans Staden que, a partir de 1947, passou a se chamar Instituto Hans Staden. Criada em 1951 como entidade sem fins lucrativos, a Fundação Martius contribuiu desde então para sustentar o Instituto Hans Staden. Em 1997, a Fundação Visconde de Porto Seguro incorporou o Instituto Hans Staden e a Fundação Martius, criando o Instituto Martius-Staden que agora, sob este nome, dá continuidade ao trabalho que vem sendo realizado há décadas.

imagem2

 

O primeiro Staden-Jahrbuch foi publicado em 1953 pelo antigo Instituto Hans Staden. Seu editor foi Egon Schaden, descendente de alemães nascido em Santa Catarina, que possuía a cadeira de Antropologia na Universidade de São Paulo (USP). Sua introdução para o primeiro volume do anuário começa com as seguintes palavras:

“O Staden-Jahrbuch tem o objetivo de oferecer uma visão do Brasil e se dirige ao leitor de língua alemã. O anuário só leva em consideração temas que tratem do Brasil, do país e de seu povo, uma limitação que logo traz à tona uma unidade entre o variado material apresentado” (Staden-Jahrbuch, v. 1, 1953, p. 5).

Também é salientado o fato de que se almeja reunir textos com abordagens profundas e competentes, mas ao mesmo tempo escritas em linguagem compreensível para o público geral, um postulado que ainda vale até hoje, depois de mais de 50 anos.

A língua alemã no anuário tem sido mantida através das décadas quase sem exceção. Desde alguns anos, contudo, textos originais em português também têm sido incluídos, com o que se pôde ampliar o público alvo da publicação entre os falantes da língua portuguesa. O anuário do Instituto Martius-Staden é consultado em Publicações universitárias e científicas e está entre as principais publicações no campo da pesquisa latino-americana.

A temática do anuário vai além dos estudos brasileiros e trata dos diversos assuntos do intercâmbio cultural teuto-brasileiro. Entre eles se destaca a história da imigração alemã, conforme o campo geral das atividades do atual Instituto Martius-Staden, cujo cerne constitui uma vasta coleção de Publicações e um singular Anuário relacionados ao tema.

Os principais autores do anuário ao longo de sua história têm sido: Karl Heinrich Oberacker, Karl Fouquet, Anatol Rosenfeld, Helmut Andrä, Florestan Fernandes, Fernando Henrique Cardoso, Roger Bastide, Wolfgang Bücherl, Arnold von Buggenhagen, José Francisco Camargo, Erwin Theodor Rosenthal, Egon Schaden, Helmut Sick, Hildegard Fauser, Gert Kohlhepp, Karen M. Lisboa, Berthold Zilly e outros. Agora, o anuário conta também com a contribuição do companheiro Hubert Roeser.

imagem3

 

Fonte de consulta: www.martiusstaden.org.br

 

VISITA OFICIAL DO GOVERNADOR

No dia 15 de setembro de 2016, o RCOP teve a satisfação de receber a visita do Governador do Distrito 4580, André Cota, e sua esposa Tânia, Presidente da Casa da Amizade. Esta visita consiste em uma oportunidade para conhecimento de projetos do Rotary na comunidade, assembléia de instrução rotária e reunião festiva.

Aproveitando esta visita oficial, na reunião festiva foi dada posse ao novo companheiro do RCOPO. Trata-se de Duilio Rocha de Souza, proprietário do Curso de Inglês CCAA em Ouro Preto. Duilio é afilhado do companheiro Amantino Ansaloni Alves.

As fotos abaixo ilustram momentos da passagem do Gov. André por Ouro Preto.

slide1 slide2 slide3

picture1 picture2 picture3 picture4

 

 

NOVO MEMBRO DO RCOP

No dia 13 de setembro de 2016, membros do RCOP foram visitar Duilio Rocha de Souza, novo companheiro de nosso Club, que tomará posse por ocasião da visita do Gov. André Cota a Ouro Preto. A visita consiste no programa de instrução rotária, que o RCOP tem a tradição de realizar, para prestar informações relevantes do Rotary International para um novo companheiro. A foto abaixo ilustra um  momento deste encontro.

picture6

 

DIA DO GUARDA MUNICIPAL

Na reunião do RCOP de 08 de setembro de 2016, prestou-se uma homenagem à Guarda Municipal de Ouro Preto, por intermédio da entrega de um certificado de honra ao mérito ao Comandante Alexsandro Nunes. As fotos abaixo ilustram momentos da reunião relativa a este assunto.

slide1 slide2 slide3 slide4 slide5

No Brasil, desde 1966, no dia 03 de setembro, é celebrado o Dia do Guarda Civil. Essa data tem a função de homenagear os profissionais dessa área, que colaboram com a manutenção da segurança e da ordem pública na esfera municipal. A história da guarda civil no Brasil remonta à história do aparecimento das instituições de força policial em nosso país.

Uma das primeiras instituições policiais de que se tem notícia no Brasil é o Regimento de Cavalaria Regular da Capitania de Minas Gerais, criado em 09 de junho de 1775. Desse regimento, de cunho civil-militar, participou o alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, um dos líderes da Inconfidência Mineira. Esse regimento constituía uma ramificação do exército real português no Brasil, e seus integrantes eram conhecidos também como “Dragões de Minas”. Além de sua função militar, esse regimento desempenhava também a função de guarda com vistas a garantir a ordem pública da Capitania.

Já no século XIX, com a vinda da família real portuguesa para o Brasil e a elevação da então colônia ao posto de Reino Unido, junto a Portugal e Algarves, houve transformações decisivas na estrutura das instituições militares e policiais do Brasil. Em 13 de maio de 1809, o rei Dom João VI, que já havia se estabelecido no Rio de Janeiro, criou a Divisão Militar da Guarda Real de Polícia. Essa divisão constituiu o primeiro órgão realmente destinado à segurança pública, em sentido estrito.

Na década de 1820, com a Independência e instituição do Império, houve a criação do exército imperial e forças policiais a ele vinculadas. Na época da Regência Trina Provisória, no ano de 1831, para cada Distrito de Paz que existia, foi designada uma Guarda Municipal, que, por sua vez, era dividida em esquadras que cobriam determinados perímetros nos municípios mais populosos.

A partir da fase republicana, os papeis das guardas municipais ficaram cada vez mais bem delineados, com estatutos e regimentos próprios. Além disso, a relação delas com as instituições militares também foi sendo lapidada. Durante o mandato do primeiro presidente do regime militar instituído em 1964, Castelo Branco, o dia do Guarda Civil foi outorgado pela lei Nº 5. 088, de 30 de agosto de 1966. Desde então, o dia 03 de setembro é dedicado a esse profissional.

Atualmente, as guardas civis têm a sua legitimidade assegurada pelo Artigo 144 da Constituição Brasileira de 1988, especificamente em seu parágrafo 8º: Os Municípios poderão constituir guardas municipais destinadas à proteção de seus bens, serviços e instalações, conforme dispuser a lei.

Fonte: FERNANDES, Cláudio. “03 de setembro – Dia do Guarda Civil”; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/datas-comemorativas/dia-guarda-civil.htm>. Acesso em 05 de setembro de 2016.

SEMINÁRIO DISTRITAL

No dia 03 de setembro de 2016 o Distrito 4580 promoveu em Juiz de Fora o Seminário Conjunto: Desenvolvimento do Rotary + Imagem Pública + Fundação Rotária. Trata-se de um encontro sobre três temas de grande importância para o Rotary, com apresentação de palestras e debates de instrução rotária. Do RCOP estiveram presentes os companheiros Leonardo Godefroid (Presidente), Richer Lucas (Desenvolvimento do Rotary) e o rotaractiano Lucas de Assis (representante distrital do Rotaract). Na ocasião, Richer Lucas recebeu uma premiação da Fundação Rotária, pela sua atuação no Rotary. As fotos a seguir mostram a programação do evento, e um agradável almoço com representantes do RC de Juiz de Fora.

slide1 slide2 slide3 slide4

picture5